quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Resenha de Rubro #4

Nossa quarta resenha sobre o novo Rubro, feito pela nova integrante da Máfia, Pamela (: 

Algumas pessoas são especiais.

Bem é disso que se trata a Saga Evanescente. De pessoas especiais. Um mundo especial. De fatos especiais... porque eles de alguma forma são especiais. Tudo. Mas é claro que há aqueles que se sobressai ao especial. Aqueles que nessa trama tem sim o direito de fala: "Eu sou especial." Mesmo sem saber ao certo o porquê.

Pessoas como Melissa Lancastre, que a partir do momento que chega numa realidade completamente diferente daquela que estava acostumada, tem que saber lidar com pessoas estranhas. Diferentes. Especiais. Saber lidar com elas, ela sabe. Ela se interage. Ela torna-se amiga. E toma para si os altos e baixos deles. Mesmo não abrangendo a todos. Afinal, nem todos que estão junto a ela lhe dá permissão para isso. Ou apenas eles não devem, seja por medo, seja revolta ou até mesmo o desejo de privá-la de coisas más... Mas quem disse que ela é capaz de ficar quieta em seu lugar? Melissa não me parece do tipo que para e diz ”Certo... eu vou esquecer isso.” Não. E isso é que a torna especial.

Mas ela não a única nesse patamar. Não quando há alguém como Maximillian Lancastre a espreita. Maximilian para muitos, Max para poucos, Maxim para quase ninguém. Esse é um dos mais especiais de todos. Não pelo fato de ser lindo e sedutor ganhando tiradas espertas das garotas a sua volta. Ele é especial porque é do tipo que tem todos os defeitos (e ainda duplicados) de uma pessoa que é má. E mesmo assim você se apaixona. Porque Max é mau. Seja isso nas atitudes meio grosseiras ou ter sido parte de um grupo de assassinos sádicos. Ele é ruim. Mas os seus pequenos gestos carinhosos, os meios sorrisos de vez em quando, ou até mesmo as suas performances quentes o deixa (e sempre irá deixar) no coração de qualquer leitora.

Leitoras como eu. Que me senti especial quando li esse livro. Não por sempre estar na torcida para cada segredo que Melissa tem que descobrir. Não por suspirar de vez em quando pelo Max ( Íris.. não é a minha culpa... é impossível não resistir!! Mais eu ainda tenho meu amor pelo Feron.. *suspira* ) Não por dormir finalmente as três da madrugada depois de saciá-lo como uma faminta em minha cama. Não... é tudo que compõe a história! Todos os personagens; sejam eles assustadores, loucos, travessos. Todos os lugares que são mostrados. Todas as relações complicadas. Os encontros e desencontros misteriosos.

Tenho certeza que será impossível parar de lê-lo. Porque isso é uma história especial que mesmo não importando para alguns é importante para mim. E nunca será evanescente.

Por Pamella Santos

5 rubrettes:

Manuh Ferraz disse...

=OOOOOOOOOOOO
Oh, Pam! Amei!!!
vc é superphoda
asuhuahsuahsuahsuahushau
Assim como Rubro

Bjooss

Siri Ahcor disse...

a resenha esta fenomenal. meeeeeesmo.
bem, eu desculpo você (A)... mas apenas porque eu não me emporto que vocês suspirem pelo MEU Maxim, exactamente por isso: PORQUE ELE É SÓ MEU!!!

mas sim, é impossivel ficar indiferente e toda a história.
E não esquecer os momentos hilarios que sempre me fazem rir as gargalhadas!!

Pamella Santos disse...

Feronzinho... (L)

PS: A Deeh vai me matar!! KKKK
PS2: Obrigado meninas! x)

Juuh Arruda disse...

Pammmmmmm!!!! uhuhuhuhuhuhuhuhu
É, o Feron (respira) e o Maxim (respira duas vezes) são tudoo XD Amoo os dois !!
Ou melhor, amamos os dois!!
Íris, não se preocupe, eu sei que o Maxim é seu. kkkk

LERY disse...

Parabéns Pampers!!

Adorei sua resenha!! , o Feron (respira) e o Maxim (traz o balão de oxigenio now!!!)

Postar um comentário