terça-feira, 28 de dezembro de 2010

No Fuso Horário, com Íris Rocha

Olá Rubrettes!!!
E passado a azáfama natalícia, é tempo de (preparar a passagem de ano e) voltarmos a centrar as nossas atenções para as personagens da (nossa) Evanescente.

E como eu estou me sentindo patriota, vamos falar do Tomás.
Eu amo ele, com todas as suspeitas que ele possa gerar, todos os mistérios e todas as duvidas eu amo ele. E porquê? Porque ele é Português! E porque fala daquela maneira linda (que muitos dizem ser esquisita) que só os portugueses sabem falar.
Tomás é o pai, ou criador, da Melissa. Ele parece ama-la como um verdadeiro pai ama uma filha. No entanto o meu Maxim, na Web Rubro, diz que ele transformou a Mel por motivos nada fraternos.


Ora, no que devemos acreditar? No aparente amor que Tomás devota a sua filha Mel, ou na palavra do (meu) Maxim, que ainda ninguém entendeu se é ‘bom’ ou ‘mau’.

Contra si, Tomás tem o facto de ter deixado a Mel ir com (na altura seu namorado) Ricardo para Espanha. E como consequência a Mel foi atacada na ponte.
Saberia o Tomás o que a esperava em Espanha? Ou foi tudo uma infeliz coincidência?
Mas porque o Tomás deixaria a sua filha ir viajar com o seu namorado contrabandista?
Saberia ele que Ricardo era contrabandista? Ou não fazia ideia do que o gato Ricardo fazia para se sustentar?
Ainda assim, um pai que pesquisa sobre os professores da filha, também não pesquisaria sobre a vida do seu namorado?
Lembram no internato, quando a Mel encontra aquela carta enorme do Tomás, em que ele fala sobre os seus professores? Só um pai zeloso se daria ao trabalho de pesquisar informações sobre os futuros professores da sua filha, não? E viram como ele estava preocupado quando a Mel partiu a perna na serra? Seria tudo fachada?
E porque um pai, tão zeloso, não cuidaria dos seus próprios filhos? O Maxim o odeia, mas não me parece que a Tacita compartilhe os sentimentos do irmão.

Lembram na prévia do Livro Rubro, em que ele diz que esperava que o dia de entregar a Mel nunca chegasse? Entregar a quem? Porque um pai deveria entregar a sua filha? Estaria ele apenas se referindo ao facto de ter de deixa-la num Internato longe dele? Ou haverá algo subentendido nas suas palavras?
No fim das contas, Tomás é um parlamentar, saberá ele mais do que aparenta? Ele é apenas mais um pião nesse grande tabuleiro onde vidas inocentes são cartas descartáveis?

Certo é que as suas atitudes são suspeitas, ou pelo menos controversas os bastante para a gente se questionar.  
Ainda assim, eu amo o Tomás, e talvez não só por ele ser português.

Até ao próximo ‘No Fuso Horário’.
Beijo da Íris.

5 rubrettes:

Siri Ahcor disse...

Não consigo entrar no msn, ainda -.-'


tururururruuuuu

Pamella Santos disse...

OEOEOEOEOEOOEOEO
Tomás Lancastre é uma figura! Adoro ele.. verdady
Mas todas as conversas e todas as evidencias que a gente vê... faz dele um ótimo suspeito!! Me pergunto no que ele está envolvido... U.U

Siri Ahcor disse...

Aí: resolvi o mistério do Tomás:
ele faz parte da máfia portuguesa (é portugues e actua de forma suspeita).
a sua mais recente missão, é estar infiltrado no parlamento vampiro. verdady!

Looma's Place -' disse...

Írislimda, tá perfeita as suas considerações mas eu ainda tenho algo contra o Tomas . Nem sei dizer o que é . Acho que é desconfiança, medo.. ou talvez seja porque eu ame o Maxim . er* HUAHSUAHSUAHS . NÃO ME MATE POR FAVOR *-*

Siri Ahcor disse...

que coisa, gente!
Parem de esfregar na minha cara que amam o MEU Maxim.
Ele é MEU!!!!
Querem amar ele... amem, mas sem que eu saiba!!!

Postar um comentário