sexta-feira, 21 de maio de 2010

# jovens escritores

Eu sou uma jovem escritora brasileira.
E tenho orgulho de dizer isto. Mas e você?
Oh, sim, você tem.
Então me deixe te perguntar algo: as personagens do seu livro têm nomes americanos, certo? E se passa... numa cidade americana. São Francisco? Nova Iorque? Los Angeles?
Poxa, deixe-me lhe desiludir: você é tudo, menos uma escritora brasileira.
Mas você nasceu no Brasil, logo é brasileira. Então por que raios você não honra o seu país e não escreve um livro que se passe no BRASIL com personagens de nomes BRASILEIROS?
Eu tenho orgulho de ser uma jovem escritora brasileira.
Rubro é nacional, com orgulho de se passar no Brasil. Eu precisava de neve para o dom da Halina. Devia ter feito o livro no EUA, então, certo? Tudo o que quer em seu livro pode-se encontrar num país rico como o nosso. Nomes bonitos? Oh, eu particularmente amo Tiago, amo Amanda, amo Melissa, amo Filipe, amo Paola, amo Diogo. 
Mas se você estiver fazendo um livro sobre vampiros, anjos e toda essa turma antiga e de outros países?
Simples: faça pesquisa.
Por que o nome Maximilian Lancastre? Primeiro, voe para o Bing e procure informações sobre o país do seu anjo, vampiro ou etc. E então, procure nomes da época em que ele supostamente nasceu. Não coloque o primeiro nome popular europeu na cabeça. Quando leitoras de rubro me pedem para ler seus manuscritos encontro 'Jason', 'Freddie', 'Cammeron', 'Megan'...
É óbvio que tem que ser um nome que goste. Um nome bonito.
Mas por que você não encontra no Brasil? Uma resposta simples e clara: PRECONCEITO. Preconceito com o nosso próprio país. Quer dizer que aqui não tem cidades boas o suficiente para estar no seu livro? Oh, no Brasil não há uma cidade grande que preste. São Paulo, Florianópolis e Porto Alegre são o que então?
Não tem essa de: oh, procurei, procurei e não encontrei.
Quem procura, acha.
E não seja aquela menina/menino do tipo: eu quero que um cara e uma garota se apaixonem na escola. E pronto, nisso se resume a história.
Escritores de verdade fazem pesquisa.
E eu não digo somente wikipedia. Eu digo todo o tipo de site que encontrar. Eu que a lista dos seus favoritos da internet deve estar lotada com links de informações pro seu livro. Eu digo que a memória do seu computador fica tão cheia que não dá de digitar meia linha porque há milhares de documentos de pesquisa.
Não adianta ter um sonho e pôr no papel. O que adianta, é viajar na ideia. Ah, eles precisam se conhecer fora do país. Excelente! Mas não seja bobo/boba e diga que se conheceram na Disney. Ou em Las Vegas. Oh, mas que outro lugar bom há? Bem, aí é com você. Se o seu livro for aquele clichê leso, beleza. Porém se quer mais, tente Mônaco, Luxemburgo, Malta, Bélgica... Tantos países lindos e pouco difundidos na literatura. Imagine o impacto do seu livro. Imagine as pessoas dizendo, Caramba, ela/ele me surpreendeu, Talinn! (pra quem não sabee, uma cidade da europa oriental).
Isso é ser escritor de verdade.
E não alguém meramente tentando ser um.

3 rubrettes:

Iris disse...

Gostei, MESMO!
ok, este poste parece-se com um sermão. mas não. de facto tudo o que dizes esta acertado.
o que n quer dizer que escritores brasileiros cuja suas obras se desenrolam fora do pais n sejam bons ou n façam pesquisa... um exemplo do Paulo Coelho, ele é brasileiro, eu simplesmente adoro os livros dele, e passam-se sempre em cidades, paises, diferentes. mas há que valorizar o que temmos e darmos a conhecer aos outros. pk, qual é o ponto em escrever e descrever (pk num livro à sempre alguma descrição) lugares do estrangeiro? se queremos que o livro faça sucesso para alem fronteiras, n é descreveram aos americanos lugares que eles já conhecem que eles vão ficar fascinados.

eu gostei mesmo do que escreves-te. mesmo muito. fez-me lembrar uma critica que escrevi à uns tempos, mas era a respeito de musica... mas no mesmo sentido. portugueses que cantam em ingles e tal. (não é que não goste.. alias, ha uma banda com algumas musicas que eu adoro que é portuguesa mas canta em ingles), ainda assim, sempre me deu a sensação que eles não acreditam no seu proprio pais, na sua propria lingua e seguem fazendo algo que é mais comum.

=)
tu tens orgulho em ti, e eu tbm tenho orgulho em ti!
era mais pessoas pensarem como tu, e a diversidade no munto aumentaria, tornando-o mais rico. =D

p.s.: vou dizer outra vez, mas eu realmente adoro estes teus postes =D

Edson disse...

Para constatar que podemos fazer bons enredos passados no Brasil, que eu lancei o romance O Último Lampejo do Crepúsculo - Uma Viagem ao Subconsciente.

A sinopse do livro:
Alice, filha do ministro da justiça, fez regressão por conta própria depois de ter levado um choque emocional no casamento e ficou aprisionada no passado dentro de sua mente. Aqui no mundo real, mesmo com a influência política do pai e do dinheiro que possui, não foi possível traze-la de volta de seu estado vegetativo de vida.
Foi quando o ministro descobriu um doutor psicólogo e psiquiatra PHD que em seu tratamento experimental poderia trazer Alice de volta ao nosso tempo. Com o tratamento intitulado: Regressão Programada a Dois, o doutor Felipe Abraão Couto, consegue fazer duas pessoas se encontrar em um passado baseando-se em cálculos matemáticos do nome da pessoa, idade e data de nascimento.
Só que o doutor Felipe depois de muito sofrer procurando pessoas compatíveis com Alice acabou encontrando a única pessoa que realmente pode salva-la a tempo de ficar presa totalmente no subconsciente: Lucas Di Paula, um assassino que cumpre pena em um presídio na cidade do Rio de Janeiro.

Você pode comprá-lo nos sites:
www.biblioteca24x7.com.br e www.amazon.com

No Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/109431

Priizi.th áa disse...

conheci evanescente hoje, viajando por ai, pela internet. Gostei da ideia do livro, e agora gostei mais ainda da escritora.
Confesso que amo o brasil e suas cidades e escrevo histórias ambientadas por aqui, mas também adoro "criar" minhas proprias cidades por aqui já que não conheco tantas assim.
De qualquer maneira concordo com muita coisa escrita ai, embora eu tenho uma terrível queda por primeiros nomes europeus...


vou visitar aqui sempre querida, bjoos

Postar um comentário